Como são escolhidas as novas funcionalidades da plataforma Sm.Commerce

Sempre buscando a melhoria do nosso produto, estamos implantado em nossa cultura dois conceitos importantes para a evolução continua e com isso sempre atender da melhor forma possível nossos clientes, parceiros e colaboradores.

O primeiro conceito que norteia “quase tudo” dentro da empresa atualmente é:

Pessoas, Processos e produto. 

Acho que por si só o nome já diz tudo 😉

O segundo conceito e não menos importante é esse tal de Roadmap, mas o que significa isso?

Um roadmap de produto é uma ferramenta importante para descrever como será o produto a cada período de sua evolução, para alinhar as partes interessadas, no que diz respeito a qual será esse processo de evolução e quais variáveis envolvem esse processo, além de mensurar um orçamento para o produto.

Diariamente recebemos muitas sugestões sobre melhorias e novas funcionalidades para a plataforma Sm.Commerce. Essas sugestões chegam até nós de formas variadas, mas principalmente através do nosso suporte, onde os clientes externos fazem solicitações, e nosso suporte sente ao vivo as necessidades dos nossos clientes e repassa essas dores. Além destas formas, temos também a equipe de vendas, marketing e o próprio time de desenvolvimento que nos enviam sugestões.

Dentro da equipe de produto da Sm.Commerce, os responsáveis por decidir o que vai ou não vai ser desenvolvido são os Product Owners (POs).

Como é definido nosso Roadmap?

Atualmente temos uma visão do nosso Roadmap para os próximos três meses. Para os três meses seguintes, nós já conhecemos os problemas que vamos atacar mas ainda não sabemos exatamente o que vamos desenvolver. Nosso objetivo é extender esse horizonte para além dos seis meses.

As novas funcionalidades e melhoria previstas em nosso Roadmap, podem sofrer alterações sem aviso prévio a qualquer momento.

Como o conceito de Roadmap é algo para o futuro e necessita de variáveis e decisões, prazos estipulados como em gestão de projetos pode ser um erro para qualquer empresa que se comprometa com eles, antes de ao menos iniciar seu desenvolvimento, pois mesmo um sistema mais simples, existe um tempo além da análise, arquitetura e desenvolvimento que é a homologação e testes, e o prazo neste caso é algo previsível e não exato.

Sabemos da extrema importância e relevância que nossos clientes possuem nesta etapa de definição e priorização de novas funcionalidades, por isso o maior peso que temos na definição de prioridades esta relacionada as solicitações de nossos clientes via suporte.

Para abrir uma nova solicitação os clientes deverão enviar a sugestão para o e-mail: suporte@smcommerce.com.br, sempre estaremos atentos as sugestões e trabalhando para que possamos entregar o mais rápido possível melhorias e novas funcionalidades que aumentem as vendas de nossos clientes e que gerem valor para nosso produto.

Caso tenha alguma sugestão ou críticas estamos à disposição para ouvi-los e melhorar sempre.

Black Friday: o Natal do E-commerce!

Consumidor brasileiro está comprando cada vez mais pela internet. Black Friday de 2015 registrou recordes de pedidos, valores gastos e compras por dispositivos móveis

Uma tradição norte-americana que conquista cada vez mais a simpatia e o bolso dos consumidores brasileiros. A Black Friday já é uma realidade em lojas de vários segmentos e a tendência é que este “feriado” do comércio se estabeleça de vez no calendário do consumo nacional, assim como ocorre com o Natal, Dia das Mães, das Crianças e dos Namorados. Como você já deve saber a esta altura do campeonato, a Black Friday acontece sempre na última sexta-feira de novembro seguinte ao feriado de ação de graças, nos EUA.

Natal do EcommerceSe para os consumidores a data representa descontos e mais descontos, para os comerciantes é o dia para faturar alto… Inclusive na internet. O e-commerce é um importante aliado para lojistas e que ano após ano fica mais acessível e simpático ao público final. Como efeito comparativo, em 2012, por exemplo, mais de R$240 milhões foram gerados apenas por vendas online durante a Black Friday. Em 2015 este número saltou para R$1,6 bilhão! O volume altíssimo de vendas representa um aumento impressionante de 38% em relação a 2014.

O “Natal do e-commerce” é justificável quando analisamos quantos pedidos foram feitos pela internet durante a última sexta-feira de novembro: 2,77 milhões!  Além disso, o valor médio da compra online foi de R$580, um aumento de 11% em relação ao ano passado. As pessoas também estão comprando mais por celulares e tablets, o que reforça a necessidade lojas virtuais responsivas… O brasileiro gastou R$140 milhões (9% to total) em e-commerces acessados por dispositivos móveis.

As vendas por e-commerce, todavia, ficaram mais concentradas na região sudeste (71%) e sul (12%) do Brasil, muito em razão do poder aquisitivo das famílias que vivem nos estados mais ricos do país. Os produtos mais procurados e também os mais vendidos foram:

  1. Eletrodomésticos: 17,2%
  2. Telefonia / Celulares: 16,6%
  3. Eletrônicos: 9,2%
  4. Moda e acessórios: 9,1%
  5. Informática: 9%

Confiança.com

Um dos principais motivos do crescimento nas compras online na última Black Friday é o aumento da confiança do consumidor brasileiro em relação aos descontos. Quem aqui não se lembra de perguntar “Terá desconto mesmo ou vamos pagar metade do dobro”? A ação de órgãos que defendem o consumidor e a autorregulamentação das empresas foram medidas que fizeram o brasileiro deixar a desconfiança de lado e gastar mais na Black Friday de 2015.

Para o mercado de e-commerce, a vantagem é ainda maior porque o consumidor teve a oportunidade de comparar o preço real dos produtos na própria loja virtual, o que influencia (e muito) a compra final. Além disso, o e-commerce na Black Friday também evitou um dos fenômenos mais comentados da data: as filas quilométricas. Pouco a pouco, com o aumento da confiança em comprar online, o brasileiro está percebendo as vantagens de realizar suas compras pelo e-commerce.

Como o atendimento da sua plataforma pode influenciar no sucesso da sua empresa

Assim como em uma venda presencial, o atendimento em um e-commerce também pode valorizar ou destruir a imagem da empresa na internet

Quem trabalha com comércio sabe que não basta apenas ter um produto de qualidade, variedade de marcas e um preço incrível… O atendimento é essencial para concluir uma venda, principalmente em dias onde a concorrência é cada vez maior e é preciso se diferenciar de alguma maneira para sobreviver no mercado. Com o e-commerce não é diferente.

Você pode montar uma loja virtual de altíssimo padrão, funcional, responsiva e que atenda a todos os requisitos de um e-commerce de primeira linha. Se o atendimento da sua plataforma deixar a desejar, a confiança (e a compra) do cliente pode ir por água abaixo, assim como a reputação do seu comércio online. Lembre-se que o consumidor, quanto mais ele gasta no e-commerce, mais ele exige uma postura profissional da empresa.

Por isso, invista em lojas virtuais que facilitem o atendimento dentro da plataforma de e-commerce, ou seja, que os canais de contato sejam claros e objetivos dentro do ambiente virtual. Outro ponto que jamais pode ser deixado de lado é o que envolve processo de entrega das mercadorias… Um bom atendimento online deve estar preparado para responder questionamentos sobre prazo de entrega, se houve algum problema, status do pedido, etc. Para tal, é fundamental ter um sistema interligado entre as áreas da empresa para que o cliente não fique sem reposta ou tenha que esperar dias para obter uma posição.

Dicas para impulsionar o atendimento em seu e-commerce

A primeira medida que precisa estabelecer é ter um atendimento profissional, tanto por telefone, chat ou e-mail.  O cliente não tem mais tanta paciência de esperar o contato de uma empresa como tinha em outras épocas… Hoje em dia, com um clique ele pode sair do seu e-commerce, ir para o concorrente e nunca mais voltar, tudo por causa de um atendimento inadequado. A resposta ao cliente tem que ser rápida e eficiente.

Sistemas CRM (Customer Relationship Management), por exemplo, podem significar uma verdadeira transformação para seu e-commerce passar uma imagem positiva e profissional no mercado online. O software já bastante difundido globalmente pode ser adaptado para qualquer tipo de loja virtual e apresenta vantagens como:

  • Agiliza o tempo de resposta ao cliente.
  • Organiza os pedidos de contato para a empresa.
  • Classifica as reclamações dos clientes.
  • Histórico: o CRM, dependendo do sistema, pode construir um histórico de contatos dos clientes, o que pode contribuir para futuras abordagens, promoções, etc.

Além disso, por se tratar de um sistema de atendimento online mais dinâmico, o CRM também aproxima o cliente da empresa, provocando uma fidelização maior. A ativação do chat online é outra estratégia fundamental, isso porque o cliente pode solicitar informações adicionais sobre o produto e a empresa, ou tirar dúvidas sobre pagamento, sem precisar sair do e-commerce. O atendimento por telefone também deve sempre estar disponível, assim como e-mail de contato e ainda uma página de FAQ adequada ao tipo de comércio online.

Bola da vez: atendimento por redes sociais

Whatsapp no Ecommerce

Assim como acontece no dia a dia de praticamente todas as pessoas, as redes sociais são importantes também para o atendimento de uma plataforma e-commerce. Canais oficiais da empresa no Facebook, Instagram e Twitter podem representam uma aproximação maior entre a marca, seus produtos e serviços, e o público final. Esclarecer dúvidas, informar preços e condições, anunciar promoções… São várias as estratégias para valorizar seu e-commerce.

Outra rede social, o Whatsapp tem influenciado diretamente no aumento de vendas em lojas virtuais de todo o Brasil. Uma boa dica é divulgar um contato (número) exclusivo no e-commerce para que o público entre em contato. Também vale a pena divulgar a novidade no Facebook, Instagram e Twitter.

Difinindo árvore de categorias

Sem dúvidas os maiores desafios para otimizar sites de e-commerce para motores de busca, navegação e usabilidade de seus e-consumidores são a concepção e a criação da estrutura de categorias de seus produtos.

É de extrema importância que o empreendedor do varejo online se conscientize que criar a categoria de seus produtos é um dos fatores de sucesso para que o e-consumidor encontre rapidamente o que está procurando, diminuindo assim a taxa de rejeição de suas ofertas.

Tudo começa com a navegação no site. Como em qualquer loja física, os produtos precisam ser muito bem organizados, categorizados e posicionados de forma que eles sejam facilmente encontrados pelos consumidores. Isto pode ser mais difícil do que parece quando você tem uma quantidade maior de sortimento de produtos.

O problema começa quando escolhemos uma categoria superior. Dizem que uma loja deve ter de 6 a 8 categorias superiores.

Se você já acha difícil dividir seus produtos em 6 categorias sem criar divisões forçadas ou artificiais, então imagine a confusão que seus e-consumidores sentirão ao tentar descobrir a localização do que eles querem comprar.

Além disso, você precisa evitar categorias muito específicas ou profundas demais. Sua loja não deve ter uma estrutura de menus onde o seu e-consumidor tenha que cavar por vários menus para achar o produto desejado. Da mesma forma, você não quer que as categorias sejam enormes, com centenas de produtos que se espalham por várias páginas. Outro problema comum é que, com categorias superiores muito ambíguas, é sempre difícil adivinhar onde colocar alguns produtos e você acaba incluindo-os em duas ou mais categorias, o que cria problemas de conteúdo duplicado – ruim para o SEO.

Então qual é a solução?
Na minha visão, como consultor e empreendedor do segmento online, o primeiro passo é estudar os principais concorrentes e grandes players do varejo online, desenvolvendo assim umbenchmarking onde você poderá replicar em seu ambiente as melhores práticas encontradas no mercado.

O segundo passo é mapear o comportamento de seus e-consumidores, de forma a entender como eles buscam o produto. E para isso, recomendo a utilização de uma ferramenta gratuita, o Google Trends.

Neste ambiente do Google, você poderá refinar a sua pesquisa por região, período, categorias, termos que remetem o melhor significado de seus produtos e com isso conseguirá criar uma estrutura de menu, onde a categorização de seus produtos facilitará sobremaneira a navegação e, consequentemente, o agrupamento de seu mix de produtos.

Crie a sua categorização de forma intuitiva e com isso o seu menu de navegação será mais atraente. Criatividade nesse momento pode fazer a diferença.

Veja alguns exemplos de onde o menu de navegação foi criado com a utilização de ícones e no máximo 9 categorias, diminuindo a quantidade de cliques para encontrar o produto desejado:

 

Não fique preso aos padrões, pense fora da caixa!

Coloque-se no lugar do e-consumidor, desenvolva funcionalidades que irão facilitar a experiência de compra. O segredo do sucesso de uma loja online está exatamente em fazer com que o e-consumidor compre pelo impulso, pela emoção, pela motivação, o encanto e o desejo de ter aquele determinado produto.

 Fonte: http://goo.gl/ssWVb4 (Ecommerce News)

 

VAGA PROGRAMADOR JR FRONTEND PARA ECOMMERCE

Estamos em busca de um “talento” para compor nossa equipe 😉

Remuneração inicial PJ: R$ 2.000,00

Principais funções após treinamento: Fatiar layout do PSD e criar html/css/js.

Jornada: Período Integral (seg à sexta das 8h30 até às 17h30 com 1 hora de rango)

Alto poder de crescimento profissional.

Estamos em busca de um talento em nosso time \o/ , alguém que gosta de desafios que trabalha focado em resultados, pois somos uma startup para B2B e com um baita desafio no mercado de marketplace.

  1. Na hora do trabalho levamos muito a sério, mas no HH esquecemos os problemas e curtimos e bebemos algumas cervejas =)
  2. Vamos bater um papo? Cola aí
  3. MORAR NO ABC SE FOR EM SCS MELHOR AINDA. Desculpe a caixa alta é que levamos muito a sério a qualidade de vida 😉

         REQUISITOS

  1. Ampla experiência em HTML5, CSS3 e Javascript.
  2. Experiência com sistema de versionamento (GIT)
  3. Ampla experiência em design responsivo (Media Queries/Bootstrap/Foundation)
  4. Familiaridade com automatizadores de tarefa (Gulp/Grunt)
  5. Familiaridade com module bundlers para Javascript (Webpack/Browserify)
  6. Conhecimento em metodologias para estruturação de CSS (BEM/SMACSS)
  7. Experiência com gerenciadores de dependência (NPM/Bower)
  8. Ampla experiência em realizar recorte de layouts em PSD.DIFERENCIAIS
  9. Experiência com framework Javascript (Angular, React, VueJS)
  10. Possuir background de experiência com sistema de e-commerce
  11. Experiência em metodologia ágil desenvolvimento (SCRUM)
  12. Conhecimento básico para front-end no framework Laravel
  13. Conhecimento em metodologias de desenvolvimento cross-browser
  14. Familiaridade com testes unitários em Javascript

 

Se você gosta de desafios será bem vindo, se gosta de qualidade de vida será mais ainda!

OUTRAS INFORMAÇÕES

  • Morar em São Caetano do Sul/ABC Paulista ou proximidades
  • Se você se sente preparado cola aí que batemos um papo descontraído… 🙂
  • Enviar currículo para: junior@smplaces.com.br

Infográfico LANDING PAGES

Landing Pages são páginas com um único objetivo, sendo o mais comum deles, a captura de leads para uma lista de email.

Elas fazem parte de toda estratégia de marketing bem sucedida e podem aumentar em até 47% as vendas de uma empresa. Veja abaixo seus principais benefícios:

  1. Aumentam a conversão de um produto ou isca digital;
  2. Evita distrações do usuário e incentiva uma tomada de ação (ex: cadastrar email);
  3. Mantém o fluxo de informação entre fontes de tráfego como anúncios e o produto.

Pensando na importância do assunto, o Viver de Blog produziu um rico infográfico com os principais números e estatísticas sobre Landing Pages, assim como 11 boas práticas ao criá-las e os 7 elementos que você precisa testar em sua Landing Page.

 

Clique na imagem abaixo para baixar uma versão em alta qualidade desse infográfico:

7e5b742e-infografico-landingpages-final-1000_0rs5z00rs5yz000000
» Clique Aqui para baixar uma versão em Alta Resolução desse infográfico «

Relatório Ecommerce – Webshoppers 28ª edição – 2013

Acesse o relatório completo clicando aqui!

O relatório


O WebShoppers é hoje o relatório mais sólido e respeitado sobre o comércio eletrônico, no qual é analisado a evolução do e-commerce, tendências, estimativas, as mudanças de comportamento e preferências dos e-consumidores, indicando assim para onde o e-commerce caminha e contribuindo para o entendimento e desenvolvimento do setor.

Este relatório é largamente utilizado pelas maiores empresas do país e também do exterior

A E-bit

Inteligência de mercado

Presente no mercado brasileiro desde 2000, a E-bit conquistou destaque no desenvolvimento do comércio eletrônico do país e hoje é reconhecida como a mais respeitada fonte de informações desse segmento. Em 2007 foi integrada ao Buscapé Company.

Pioneirismo

Pioneira em realizar pesquisas com usuários do meio online para analisar e entender hábitos e perfil do e-consumidor. Atualmente, possui mais de 16 milhões de pesquisas coletadas em mais de 21 mil lojas virtuais afiliadas.

Ajuda aos varejistas

Todos os anos gera o relatório Webshoppers, em que as informações extraídas das pesquisas aplicadas são transformadas em valiosas informações que auxiliam os grandes varejistas a entenderem o perfil de seus usuários.

O mercado


 Um pouco do que você verá no relatório

Evolução do faturamento E-commerce (em bilhões)

O ano de 2013 deve terminar com resultados positivos para o comércio eletrônico brasileiro. A previsão é que o setor atinja um faturamento de R$ 28 bilhões, o que representa um crescimento nominal de 25% em relação a 2012.

Categoria de produtos mais vendidos – 2012 (em volume de pedidos)

O ticket médio deste primeiro semestre foi de R$ 359,49 e a categoria de Moda se consolidou de vez:
  • • Moda e Acessórios: 13,7%
  • • Eletrodomésticos: 12,3%
  • • Saúde, beleza e medicamentos: 12,2%
  • • Informática: 9,0%
  • • Livros / Assinaturas Revistas: 8,9%

Tendências

Mobile Commerce

Em Janeiro de 2012, o share em volume transacional do M-Commerce era de 0,8%, passando para 1,3% em junho do mesmo ano. 
Em Janeiro de 2013 já era de 2,5%, em janeiro de 2013, chegando a 3,6%, no mês de junho. O que esperarmos para o fechamento deste ano?

O peso do Frete Grátis

O que mais influencia para a escolha da loja é: a confiança e o preço, com 16%, seguidos de perto pelo frete grátis (14%) e pelo prazo de entrega (13%). 
Em 2012, muitos empresários reduziram a prática do “frete grátis”, a fim de aumentar a rentabilidade. Mas durante o primeiro semestre de 2013, foi possível notar a retomada nas ofertas de frete gratuito, o que mostra claramente que essa política impulsiona as vendas.
Fonte: Ebit – Webshoppers

INFOGRÁFICO: OS NÚMEROS DO EMAIL MARKETING

Email marketing é uma forma de marketing direto, onde é possível criar relacionamento e informar ao cliente por meio do envio de e-mails.

Se você não tem uma estratégia de email marketing, nem que seja ao menos capturar emails no seu site, você está “deixando dinheiro na mesa“, como dizem.

Aqui estão as principais razões pelas quais você precisa criar e cultivar a sua lista de emails:

  1.  Promover seus artigos do blog
  2.  Interagir com seus leitores
  3.  Conseguir conversões melhores
  4.  Obter mais receitas na venda de seus produtos ou de afiliados

 

Pensando na importância do assunto, o Viver de Blog produziu um rico infográfico com os principais números que comprovam a eficiência do email marketing e as 10 dicas para você melhorar sua taxa de abertura e conseguir mais cliques nos seus emails enviados.

Clique na imagem abaixo para baixar uma versão em alta qualidade desse infográfico:

 

Os Numeros do email mkt 600 Infográfico: Os Números do Email Marketing (e 10 dicas para melhorar sua estratégia)

 

Fatos e Estatísticas para Tweetar:

  1. (tweet) 92% dos usuários na internet tem ao menos 1 conta de email.
  2. (tweet) 72% dos usuários checam a sua caixa de entrada de emails 6x ou mais todo dia.
  3. (tweet) Existem mais de 3.5 Bilhões de contas de emails criadas. (São 3x mais contas de email do que todas as contas do facebook + twitter combinadas!)
  4. (tweet) 44% das pessoas que recebem emails promocionais realizaram ao menos uma compra no ano passado.
  5. (tweet) A cada R$ 1 investido, R$ 44,25 é o retorno médio na estratégia de email marketing.
  6. (tweet) Não envie emails com alta frequência (69% citam que esta é a razão #1 para descadastrarem seu email).
  7. (tweet) Otimize suas newsletter para mobile. (38% abrem emails em mobile).
  8. (tweet) Se possível, personalize seus emails com o nome da pessoa que irá recebê-los. (o aumento de cliques pode ser de até 14%)
  9. (tweet) Em torno de 50% de uma lista de email se manterá ativa – abrindo ou clicando em emails.
  10. (tweet) Em 2012, o email marketing teve um ROI (Retorno Sobre Investimento) de 4000%.

» Clique Aqui para baixar uma versão em Alta Resolução desse infográfico «

 

FONTE: http://viverdeblog.com/infografico-email-marketing/

Flat Design: a nova tendência chega no ecommerce

Você já ouviu falar em Flat Design?

Essa tendência de UI está a cada dia adquirindo cada vez mais adeptos e muitos se perguntam se esse será o futuro do design de interface. Inicialmente adotada pelo Microsofts’s Metro UI, hoje aplicativos, sites de pesquisas, portfólios e interfaces de e-commerce já encontram nessa estética seu caminho para atingir o público de uma forma mais intuitiva e direta.

Por definição Flat Design é uma estética visual minimalista que se foca na usabilidade. Se opõe a todas as técnicas de design que buscam retratar a realidade na tela; sombras, gradientes, relevos, texturas realistas são deixados para trás. E valoriza a simplicidade, a clareza do layout, a estética clássica e a expressão “menos é mais”.

 

exemplo-0[1]

 

Porque esse conceito é funcional?

Os princípios que regem o Flat design são a hierarquia das informações e dos elementos, o que facilita a compreensão a interação dos usuários. A interface é planejada buscando a funcionalidade, ao invés de ser apenas um site bonito, por isso, sites que utilizam essa estética recebem um feedback positivo por serem user-freindly.

Por exemplo, atualmente 20% do tráfego da web vem de dispositivos móveis, segundo dados da Brightcove; e em telas de smartphones e tablets é necessário que seja fácil, prático e intuitivo o processo de compra, e quanto melhor a experiência do consumidor, maior será a possibilidade de efetuar uma compra.

 

exemplo-2-1024x527[1]

 

 

 

exemplo1-1024x797[1]

 

 

E como utilizar o Flat Design no ecommerce?

Ícones

Imagens simples transmitem mensagens mais rapidamente e efetivamente do que ilustrações detalhadas. Ícones e botões com cores sólidas chamam mais atenção e passam seu significado mais facilmente, sendo desnecessário maiores explicações. Utilize elementos com formas simples, como retângulos e círculos, e negrito para os botões.

 

icones[2]

Cores

O Flat Design utiliza muito cores pasteis e retrôs como tons de salmão, verde, azul e roxo; as cores primárias e secundárias também são populares. É importante saber escolher uma paleta de cores que não deixe o layout sem graça e que gerem contraste, destacando elementos de ação, como botões de compra.

 

cores-1024x466[1]

 

Tipografia

Nessa estética a tipografia é muito importante; elas devem ser ousadas para se destacarem, mas ao mesmo tempo simples, clean e eficientes, harmonizando com o resto do layout. Uma tipografia sem serifa é uma boa escolha, mas também tipografias serifadas podem ser uma opção se bem utilizadas.

Imagens

No ecommerce, imagens de alta qualidade são um grande diferencial e de extrema importância; atraindo a atenção do usuário e ajudando a aumentar a conversão.  A simplicidade estética do flat design permite que as imagens e botões de ação ganhem grande destaque, não desviando a atenção do consumidor.

 

imagens-1024x525[1]

Embora a premissa seja “menos é mais”, é necessário que se saiba utilizar todos esses elementos de forma correta, portanto a ajuda de profissionais é altamente recomendada, pois é essencial que o layout atraia o consumidor e crie uma ótima experiência de compra. Também, é de extrema importância que se conheça o seu público-alvo, para que o site atenda a suas necessidades.

Fonte: Blog Next Commerce

User Experience no e-commerce: converte mais e fideliza cliente

Como é do conhecimento da maioria dos profissionais do ramo, o mercado de comércio eletrônico tem amadurecido e evoluído de uma maneira surpreendente. Devido a toda essa evolução, que trouxe funcionalidades das mais diversas, menor preço, frete grátis, possibilidade de parcelamento e muitas outras vantagens, o número de pessoas que preferem comprar online ao invés de ir às lojas físicas tem crescido e atualmente chegam a atingir inacreditáveis 89% em algumas pesquisas.

Isso é praticamente 9 em cada 10 pessoas preferindo comprar pela internet. Acredite se quiser!

Mas (sempre tem um “mas”) esses números são altos assim lá fora, em mercados mais experientes e maduros, como nos Estados Unidos e na Europa. Aqui no Brasil a realidade é bem diferente. E isso acontece por diversos motivos, um dos mais destacáveis é a importância que as lojas virtuais dão ao User Experience.

Proporcionar uma boa experiência de uso do site ao usuário é uma das maiores preocupações que uma loja deve ter. A pergunta que você pode estar se fazendo agora é: “OK, eu entendi… mas como posso fazer isso?”

Existem muitas etapas na otimização da experiência do usuário, e todas elas devem ser trabalhadas em conjunto, de forma que navegar em uma loja virtual seja tão fácil, prazeroso e intuitivo quanto mexer em um iPad ou iPhone, por exemplo.

E falando nisso, você já notou o talento que a Apple tem criar produtos fáceis de usar? Conheço crianças de 4 anos que ganharam iPad no último Natal e em menos de dois dias já tinham aprendido a mexer no aparelho. Isso é fantástico!

 

(deixarei um link no final do artigo para um vídeo que mostra essa facilidade*)

 

É dessa maneira, proporcionando uma experiência agradável e sem criar bloqueios mentais com menus enormes e confusos, dezenas de banners e vitrines carregadas, que não deixam claro aos usuários onde eles devem ir ou como podem encontrar o que procuram, que um e-commerce deve se relacionar com seus visitantes. Fazendo isso eles deixarão de ser visitantes e se tornarão consumidores. Pode apostar!

A seguir vou mostrar o que pode ser feito para começarmos a trabalhar o user experience no e-commerce de forma correta. E como é um assunto muito vasto, abordarei o macro de cada item, mas quem quiser se aprofundar no assunto pode entrar em contato comigo por email, linked-in, etc.

Logotipo: um erro comum que muitas empresas cometem é exagerar no tamanho do logotipo, isso prejudica a simplicidade. As pessoas entram lá para comprar, não para conhecer o logo da empresa. Foque em chamar a atenção no menu de categorias e departamentos e no caso dos clientes retornando, a facilidade em encontrar os links “Meus pedidos”, “Minha Conta” e “Logout”. O logotipo é o de menos.

Menu de departamentos e categorias: utilize menus simples e fáceis de serem entendidos/interpretados pelo cérebro dos usuários. O erro mais cometido por gerentes de e-commerce é não se conter e querer exibir muitas categorias no menu. Pode apostar: isso deixa o usuário perdido.

Uma outra boa sugestão é trabalhar com iconografia, pois ela faz com que as pessoas entendam muito mais fácil o tipo de produto que irá encontrar em determinado departamento/categoria. Quer um exemplo comparativo?

 

Exemplo 1:

 

Exemplo 2:

 

Acho que não preciso perguntar qual dos menus é mais fácil de ser utilizado e entendido, além de ser mais bonito.

Facilidade, prazer e simplicidade. Isso é user experience! 

Navegação: relacionado ao menu, temos a navegação. Ela deve ser feita em funil. Sugira o macro e deixe o usuário navegar exatamente até onde ele deseja. Para isso, utilize com inteligência os filtros. É muito mais eficiente deixar o usuário escolher aonde ir, oferecendo diversas opções de filtragem para cada tipo de produto do que apresentar todas as opções de departamento e categoria de uma vez, mostrando um monte de coisas que o visitante não tem o menor interesse.

Trabalhando bem a navegação em funil, dá uma impressão de que a loja tem uma bola de cristal e sabe exatamente o que o visitante deseja, quando na verdade quem está mostrando o que procura é ele próprio ao clicar nos filtros.

 

Isso é simples e genial. Isso é user experience! :)

 

Existem outros recursos muito importantes, como as transições de tela, posição de elementos, etc, mas para não tornar esse artigo praticamente um livro, vamos parar por aqui.

Caso você tenha se interessado pelo assunto, não se preocupe que ainda falaremos muito mais de Experiência do Usuário. Esse é um tema em constante evolução e sempre temos boas novidades a serem discutidas e compartilhadas.

Quem quiser se aprofundar no tema, fique à vontade para entrar em contato comigo ou dar um pulinho aqui na Über Digital pra tomar um café. Estou sempre à disposição!

Grande abraço e até a próxima!

(*) Vídeo exemplo: People using the iPad for the first time